domingo, 14 de abril de 2013

Alimentação nos 2 primeiros anos de vida


Indignada com a quantidade de médico que prescreve/indica/recomenda que as mães ALIMENTE bebês antes dos 6 meses (o que elas seguem sem questionar), pedi ajuda a uma amiga, que tem mais experiência que eu neste assunto para me ajudar a preparar um texto legal sobre a alimentação nos primeiros anos de vida.


Fonte: Blog da Helo


É um assunto muito sério! Bebês antes dos 6 meses não estão preparados para receberem alimentos. Por isso, o leite materno basta!
Então antes do texto escrito tão gentilmente pela, também Nutricionista, Camila Fernandes, faço dois apelos:

Fonte: Sofotos

1) Senhores Médicos (ou Doutores, como preferirem), por favor, incentivem o aleitamento materno EXCLUSIVO até os 6 meses de vida!
2) Mães, acreditem quando nós dizemos que eles não precisam de nada além do leite materno! Nós não passamos quase 5 anos estudando em vão. Sabemos o que estamos dizendo! 
Pronto, falei!
Agora o texto da Camila (obrigada mais uma vez!)


Fonte: The Ecology of Food

A alimentação de qualidade é extremamente importante para o crescimento e desenvolvimento das crianças. Por tamanha relevância, a Organização Mundial da Saúde (OMS), juntamente com o Fundo Nacional das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), elaborou o “Guia alimentar para crianças menores de dois anos”(aqui tem muito material legal), utilizando como enfoque central o incentivo ao aleitamento materno como fundamental para saúde da criança.
Tomando por base os “Dez passos para uma alimentação saudável” (veja aqui), aqui vão algumas orientações!


Fonte: Correio Lageano

Nos primeiros 6 meses de vida, o bebê necessita única e exclusivamente do leite materno. Nele, há todos os nutrientes e líquidos que a criança precisa, além de anticorpos para protegê-la. A oferta de água e chá na mamadeira ou chuquinha é desnecessária e o movimento de sucção faz o bebê engolir ar, causando desconforto gástrico e gases. 
Para as mamães que trabalham fora, a legislação brasileira permite a redução do horário de trabalho diário e pausas para amamentação.

Apóóóóóós os 6 meses, as necessidades nutricionais da criança precisam ser complementadas, mas o leite materno continua sendo uma fonte importante de calorias e nutrientes.
Veja neste esquema:




A mãe, ou cuidador, poderá oferecer cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e verduras conforme sua cultura e costumes.
Embora o quadro acima apresente as expressões “papa de fruta”
“papa salgada”, o objetivo é salientar a consistência do alimento oferecido, ou seja, amassado e raspado. Triturar os alimentos não permite que a criança aprenda a distinguir sabores. Também o termo “papa salgada” requer cuidado para o uso de sal, uma vez que ele deve ser acrescido com moderação para o fornecimento de iodo.


Fonte: Sempre Materna

A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários da família em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança.
Até os dois anos de idade, o bebê está aprendendo a testar novos sabores e texturas, por isso as caretas são comuns. A capacidade gástrica é pequena (muita atenção para este fator!) e, o que você acha ser pouco em quantidade, pode ser o suficiente para o bebê. Verifique outros fatores que podem influenciar na fome/apetite: fraldas sujas e molhadas, calor ou frio, necessidade de carinho
Lembre-se que práticas nocivas de gratificação (prêmios) ou coercivas (castigos) são completamente desaconselháveis.


Fonte: Blog Saúde e Vitalidade

Ofereça alimentos variados contendo todos os grupos de alimentos 
(lembre-se da pirâmide alimentar), para a garantia de aporte de
todos os nutrientes.


Fonte: Eu Achei Primeiro

Evite açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida 
(de preferência, na vida toda).
O consumo de alimentos não nutritivos está associado à anemia
excesso de peso e alergias.

Fonte: Espaço Saúde da Mulher

A criança tem preferência pelo sabor doce e NÃO É NECESSÁRIO acrescentar açúcar nos sucos. 
O mel é contraindicado nos dois primeiros anos de vida, pelo risco de contaminação de Clostridium botulinum, que causa botulismo.
A mucosa gástrica do bebê ainda é sensível e café, refrigerante e enlatados podem irritá-la.

Cuidado com higiene no preparo das refeições das crianças. Utilize sempre água filtrada e alimentos frescos.

Fonte: 5 Mimitos

No caso de infecções e resfriados, estimule a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.
É normal a perda de apetite e há perdas por diarreia, vômitos e febre quando a criança está doente. Ofereça líquidos (água e sucos de fruta) e também o leite materno que, além de ser extremamente nutritivo, promove o contato mãe e filho.


Fonte: Dicas Grátis na Net

De brinde, ainda tem um "Prato do Dia Baby"!
Segue uma receitinha de papa salgada (para almoço ou jantar) da criança maior de 6 meses:

Purê de batata doce com rúcula, arroz com 
cenoura ralada e carne desfiada.

Ingredientes
3 colheres de sopa de batata doce cozida
½ xícara (chá) de rúcula
2 colheres (sopa) de arroz cru
1 colher (sopa) cheia de cenoura crua
2 colheres (sopa) cheias de carne (patinho, coxão mole, músculo – 
moído ou picado)
1 colher (chá) de alho
1 colher (chá) de cebola
1 colher (café) de óleo
1 colher (café) de sal
1 ½ xícara (chá) de água

Modo de preparo
Separe todos os ingredientes e utensílios que serão utilizados. 
Em uma panela pequena, aqueça o óleo e adicione a cebola. 
Mexa, acrescente o alho, a carne e cozinhe. 
Adicione a cenoura ralada e o arroz e cozinhe por mais 30 segundos. 
Adicione a água e o sal e cozinhe por 20 minutos, 
ou até que os grãos fiquem bem macios. 
Diminua a chama e cozinhe até a água secar. 
A parte, prepare o purê, amassando a batata doce cozida. 
Por último, misture a rúcula picada.



2 comentários:

  1. O pediatra da minha neta queria introduzir suco de frutas no terceiro mês, depois queria começar com as papas de frutas no quarto mês, como a criança não mamava no peito ele queria introduzir leite de vaca ( do sítio) no terceiro mês afirmando que o leite de caixinha era contraindicado antes dos 2 anos de idade, só que o médico não procurou saber como era feito a ordenha nem o tipo de alimentação do gado, que por acaso era alimentado com esterco de galinha, pois o meu genro é quem cuida do gado pois mora em uma fazenda. A princípio aconselhei a minha filha a introduzir as papinhas e sucos no final do quinto mês, como o meu genro parecia estar dando mais créditos ao médico do que em mim que sou nutricionista, ao perceber que seguiria a risca a indicação do pediatra fui radical e proibi tanto o leite do sítio quanto o alimento antes do tempo adequado. NO final do quinto mês começamos com os suquinhos e papinhas de frutas, no sexto mês papinhas salgadas e assim devagarinho a alimentação foi introduzida. Não ouve traumas, o intestino da Juliana Beatriz funcionou certinho, ela aceitou muito bem os alimentos, tendo preferência por papinha de mamão, suquinho de laranja com beterraba e frango desfiado com feijão,batata, chuchu, e cenoura mas não rejeita nenhuma preparação. Na hora do ''papá'' é uma festa de papinha até nos cabelos pois a colher vai junto com as mãozinhas. Dra. Lúcia Soares Nutricionista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas é o que mais acontece..
      E quando vamos dizer que não pode, eles dizem que o MÉDICO mandou dar..
      É triste!
      Mas não devemos desistir!
      E parabéns pela sua atitude!
      :)

      Excluir